No dia 13 de agosto deste ano, no CT Yakult (Ibiúna), o Gecebs conquistou a edição do campeonato brasileiro de beisebol pela primeira vez. A disputa foi muito acirrada, e o time conseguiu o troféu após derrotar o Atibaia na decisão por 4 a 3. E muito desse título tem a ver com a excelente contribuição de Felipe Mitsuro, shortstop do Gecebs que foi eleito o melhor jogador e shortstop do torneio.

Conversamos com Mitsuro com o desempenho no campeonato brasileiro, sobre o futuro do jogador de 22 anos, Taça Brasil e outros assuntos relacionados ao beisebol.

Começo no beisebol e ídolo

Mitsuro faz parte da nova geração de jogadores brasileiros talentosos e que começaram a trajetória no esporte desde cedo. Para o shortstop, tudo começou no time do Dragons, ainda na categoria pré-infantil. “Sempre joguei por amor ao esporte”. Segundo o jogador, Derek Jeter é o grande ídolo, seguido por Carlos Correa.

O sucesso para o infielder sempre veio desde pequeno. Após o período com os Dragons, ele foi para os Gigantes e por lá conquistou títulos até garantir vaga na seleção brasileira na categoria pré-júnior. “Na categoria júnior fui convocado novamente para a seleção brasileira e fomos vice-campeão. No mesmo ano, um campeonato brasileiro que nunca esquecerei, quando ficamos em terceiro colocado com um time desacreditado até mesmo pelos pais”.

Felipe com os prêmios individuais do campeonato deste ano (Facebook)

Com o Gecebs, atual time, a trajetória vem desde o time juvenil, e logo no primeiro ano de Mitsuro no time eles conquistaram o brasileiro da categoria sub-21. “Em 2015, fui chamado para a seleção adulta para participar do Campeonato Sul-Americano em Cuiabá. E esse ano conquistamos o brasileiro sub-23, o campeonato paulista e agora o brasileiro”.

Sensação de estar no topo e planos para Taça Brasil

Vencer o prêmio de melhor jogador do campeonato brasileiro não é uma tarefa nada fácil. Esse é o segundo melhor torneio do Brasil em nível técnico, atrás apenas da Taça Brasil. Para Mitsuro, é uma grande conquista, assim como sagrar-se campeão com o Gecebs.

Elenco campeão (Foto – Vinicius Farias/Agência Interbase)

“Me senti honrado. Entre tantos jogadores que participaram do campeonato, eu fui escolhido o melhor dessa edição. É algo para me orgulhar e seguir em frente firme e forte para melhorar cada vez mais”.

A conquista do Gecebs veio após o time chegar perto nos últimos dois anos, quando a equipe ficou com a terceira colocação em 2015 e 2016. “Foi uma sensação de alívio junto com felicidade e dever cumprido, pois o Gecebs nunca tinha conquistado o título do brasileiro na categoria adulto. Ainda mais depois de tantos ‘quases’ no brasileiro e na taça (Brasil)”.

E para Mitsuro, ter recebido o prêmio de melhor jogador não era algo que ele esperava antes da competição começar: “Não imaginava ser um dos candidatos a melhor jogador, eu apenas sabia que eu era muito importante para o Gecebs e que deveria dar meu máximo para chegar ao topo com a nossa equipe. Então foi uma surpresa mesmo após o nosso título”.

Agora, com o time tendo conquistado o campeonato brasileiro, a vaga na Taça Brasil está automaticamente assegurada. O Gecebs, com o título deste ano, vem forte para tentar o terceiro troféu no ano. “Minha expectativa é de continuar o trabalho que temos feito, sempre melhorando nos detalhes que apareceram no brasileiro e conquistar o tão sonhado título da Taça Brasil, para poder fechar um bom ano com chave de ouro”.

Futuro e Olimpíadas

Ainda jovem e com muito tempo de beisebol pela frente, Mitsuro também já pensou em jogar no exterior. “Sempre sonhei em jogar no exterior, mas nunca levei tão a sério, pois sempre me falavam que tinha que ter um porte grande e forte. Agora, pretendo continuar jogando no Brasil mesmo”.

Figura frequente na seleção adulta, Mitsuro pode ser um importante jogador na campanha do Brasil para tentar uma vaga nas próximas Olimpíadas.

“Vai ser bem difícil, pois existem países bem fortes onde o beisebol é bem incentivado e apoiado. Mas temos chances sim, junto com os jogadores que atuam no exterior conseguimos formar uma equipe bem competitiva para lutar por uma vaga para Tóquio 2020. Tomamos como exemplo a nossa classificação para o WBC em 2013”

***

Com muito tempo de beisebol pela frente e bastante dedicado ao jogo, o Brasil vai precisar muito de Mitsuro para tentar uma vaga em Tóquio. Enquanto isso, é provável que ele, junto com o Gecebs, continue disputando em alto nível as principais competições do calendário nacional.


Comentários? Feedback? Siga-nos no twitter em @casadobeisebol e curta-nos no Facebook.

About The Author

Editor-chefe da Casa do Beisebol, entre 2015-2017 ocupei a mesma função no Segunda Base, além de ter trabalhado como administrador e fundador do Spinball Net entre 2011 a 2016. Ainda com passagem pelo ExtraTime. Respiro beisebol 24 horas por dia, também sou tipster e apostador profissional no Quero Apostar.

Related Posts