Dia 6 de novembro significa a abertura do mercado de free agents da MLB. A expectativa é que as primeiras semanas sejam calmas, mas é bom já termos em mente quais são os principais atletas em cada posição. Portanto, nada mais justo do que um grande especial.

Primeira base

1 – Eric Hosmer (Royals) — Há rumores de que Scott Boras quer US$ 200 milhões por Hosmer, e o contrato do primeira base dos Royals vai passar longe disso. De qualquer maneira, ele vem de duas temporadas muito produtivas em que mandou 25 home runs em cada e com ótimo aproveitamento em base. Hosmer se desenvolveu em um primeira base sólido e capaz de boa defesa. Deve conseguir um contrato de no mínimo quatro anos e vai custar caro.

Hosmer provavelmente não vai renovar com os Royals (Getty Images)

2 – Yonder Alonso (Mariners) — Um dos jogadores que mais surpreenderam na temporada, Alonso chega para a offseason como uma alternativa interessante para times que precisam de força no bastão — é até irônico escrever isso após uma carreira inteira sem rebater para força. A idade não é um fator (apenas 30) e parece que Alonso está na ascendente da carreira. Deve conseguir um contrato grande com algum time da Liga Americana — só sabe jogar como 1B.

3 – Logan Morrison (Rays) — Um antigo bom prospecto, Morrison teve um breakout year neste ano. Com 38 home runs, foi um dos líderes do time de Tampa. Morrison também teve o excelente wRC+ de 130, que figura entre os melhores da classe neste ano. Um rebatedor que provou ter crescido muito. Pode ser uma alternativa muito boa para times que precisam de força e consistência na posição.

4 – Carlos Santana (Indians) — Mais um rebatedor designado do que primeira base, Santana é um dos melhores rebatedores dessa classe de free agents. Switch hitter capaz de rebater para força e contato, é um jogador que pode fazer a diferença com o bastão. O problema, no entanto, é o histórico grande de lesão, a falta de capacidade de jogar em outra base e os 31 anos. Deve conseguir um contrato mais curto do que Alonso e Hosmer.

5 – Mark Reynolds (Rockies) — Um raro free agent nessa posição versátil, Reynolds pode jogar na primeira e na terceira base. Com muita força no bastão e capaz de colocar pelo menos 25 home runs todos os anos, Reynolds, aos 34 anos, vem amadurecendo como rebatedor e está consolidado como um jogador útil para qualquer tipo de equipe. Não deve demorar para encontrar time.

Reynolds passou as últimas duas temporadas em Colorado (AP)

6 – Lucas Duda (Rays) — Típico rebatedor de platoon, Duda pode ser uma alternativa interessante para times na Liga Americana que possam utilizá-lo como primeira base ou DH. De qualquer maneira, a carreira do ex-Mets não despontou como muitos esperavam. Deve conseguir um contrato curto, de no máximo dois anos.

7 – Adam Lind (Nationals) — Lind reviveu sua carreira com os Nationals após algum tempo sumido dos grandes palcos da MLB. Mesmo com um ano produtivo, Lind se encaixa no tipo de jogador que Duda é, por exemplo. Uma alternativa boa para times que precisam de um bom rebatedor canhoto em platoon. Deve conseguir contrato de um ano.

8 – Mitch Moreland (Red Sox) — Aos 32 anos, Moreland teve o pior wRC+ de todos os outros sete jogadores que estão acima dele nesta lista. Um jogador platoon na primeira base, se você tem Duda e Lind disponíveis à frente, pra quê escolher Moreland? Deve ser contratado bem tarde nessa offseason, e como um jogador de pouca relevância com contrato curto.

9 – Mike Napoli (Rangers) — Aos 36 anos, Napoli já passou do auge da carreira e atualmente nem como primeira base ele te tido sucesso — futuro pinta como DH. Se só o bastão é eficaz para Napoli, nesta temporada ele teve o wRC+ baixíssimo de 81 e pífio 19,3% no bastão. Vai ser difícil conseguir algo a mais do que contrato de liga menor.

10 – Pedro Alvarez (Orioles) — Com 30 anos, Alvarez chegou a um ponto da carreira em que estagnou. É um jogador que todo sabe o que vai trazer: força no bastão e pouco aproveitamento em base. Nesta temporada, passou por uma grave lesão que o limitou a poucos jogos. Provável que consiga um contrato de liga menor no próximo ano.

Segunda base

1 – Neil Walker (Brewers ) — Consistência é algo que os gerente gerais prezam na free agency, e Walker certamente é um jogador que traz isso. Ele tem WAR de pelo menos 1,9 em cada uma das últimas oito temporadas. Ele já não está mais no auge da carreira, mas é um jogador que pode trazer um bastão sólido na segunda base e defesa um pouco acima da média.

Faz sentido para Milwaukee renovar com Walker (Getty Images)

2 – José Reyes (Mets) — É uma free agency muito fraca para jogadores de segunda base, e isso fica explícito quando temos Reyes como segundo melhor entre 2B. Mas o veterano, que vai começar a próxima temporada perto dos 35 anos, vem de uma boa temporada. Reyes teve WAR de 2,0, bem defensivamente e conseguiu a boa marca de 15 home runs. A questão é que, com os problemas fora de campo e a idade avançada, não deve conseguir mais do que um ano de contrato.

3 – Brandon Phillips (Braves) — A idade é um fator para Phillips, que já está com seus 36 anos. Mas é um jogador que mais uma vez provou ser sólido, e desde que entrou na MLB segue como um exemplo de profissionalismo e consistência. Claro que não dá para esperar o mesmo tipo de jogador que já foi enquanto jogava em Cincinnati, mas Phillips, em contrato de um ano, pode ser bem útil.

4 – Logan Forsythe (Dodgers) — A defesa segue sendo o principal ativo de Forshythe, que teve uma temporada muito boa com a luva neste ano. No entanto, o bastão de Forsythe teve uma queda considerável neste ano, o que diminui seu valor na offseason. De qualquer maneira, deve conseguir um contrato maior do que um ano.

5 – Chase Utley (Dodgers) — Ainda há gasolina no tanque de Utley? O veterano vai completar a próxima temporada com 39 anos. Ele teve um ano sólido pelos Dodgers, mas com tanto desgaste assim, a idade é um fator muito grande. Não deve ser mais relevante nas Majors.

6 – Cliff Pennington (Angels) — Uma defesa sólida e aproveitamento no bastão decente. Aos 34 anos, Pennington não deve sair desse estereótipo. Jogou 87 jogos pelos Angels nesta temporada, e deve repetir algo nessa casa na próxima temporada.

7 – Ryan Flaherty (Orioles) — A gente sabe que o mercado está ruim quando Flaherty é o sétimo melhor na posição. Um jogador razoável e que não faz nada além do básico, Flaherty deve assinar um contrato de ligas menores.

8 – Darwin Barney (Blue Jays) — WAR negativo de 0,6 é um baita indicativo de que Barney não deve assinar com nenhum time além de contrato de ligas menores. Um jogador que vem regredindo com o tempo.

9 – Gordon Beckham (Mariners) — Mais que vem de uma temporada com WAR negativo. O que esperar de um highlander que não se encaixa em nenhum time?

PS: De acordo com o MLB.com, são apenas nove jogadores de segunda base disponíveis nessa free agency.

Shortstop

1 – Zack Cozart (Reds) — Um dos melhores rebatedores da primeira metade da temporada, Cozart tornou-se, ao lado de Joey Votto, o melhor dos Reds. Não faz sentido para o time renovar com um veterano que vai pedir muita grana, bem pelo fato de que os Reds estão em rebuild. Com capacidade de força, ótima defesa e habilidade para chegar em base, Cozart é o sonho de muitos times como SS.

Cozart foi para o All-Star neste ano (AP)

2 – Alcides Escobar (Royals) — Um jogador extremamente impaciente e sem força no bastão que nesta temporada perdeu a velocidade (apenas quatro bases roubadas). Aos 30 anos, Escobar já está regredindo como rebatedor. A defesa ainda continua lá, mas ele está longe de ser um jogador relevante nessa free agency.

3 – Stephen Drew (Nationals) — Já foi o tempo em que Drew era um free agent disputado na offseason. Agora, aos 34 anos, ele está longe de ter essa importância. De qualquer maneira, ainda pode ser um jogador útil em algum time da MLB, algo que muitos outros free agents na posição não podem mais.

4 – Adam Rosales (Diamondbacks) — Um infielder útil capaz de jogar em qualquer posição do campo interno, Rosales é um rebatedor decente e que tem seus lapsos de brilhantismo. Deve conseguir ser útil em algum lugar nas Majors.

5 – JJ Hardy (Orioles) — Hardy já foi um excelente defensor que era digno de Luva de Ouro todos os anos. No entanto, a idade chegou para o veterano de 35 anos, e nisso vieram as lesões. Hardy ainda é um bom defensor, mas o bastão segue regredindo. Não deve conseguir um bom contrato.

6 – Erick Aybar (Padres) — Aos 33 anos, a idade fez com que Aybar perdesse os únicos dois ativos no jogo: velocidade e defesa. Já veterano e incapaz de rebater bem, difícil ver ele sendo útil em algum lugar.

7 – Josh Routledge (Red Sox) — Mais um jogador que não consegue ser eficiente nas Majors há tempos. Rutledge tem apenas 28 anos, o que é um ótimo motivo para qualquer time assiná-lo em contrato de ligas menores.

8 – Alexi Amarista (Rockies) — Um shortstop bom na defesa, mas com péssimo bastão. Três temporadas seguidas com WAR negativo não faz bem para o seu valor na offseason.

9 – Mike Aviles (Marlins) — Já são quatro temporadas seguidas com WAR negativo para um veterano de 36 anos. Não é preciso escrever mais, certo?

PS: De acordo com o MLB.com, são apenas nove jogadores de shortstop disponíveis nessa free agency.

Terceira base

1 – Mike Moustakas (Royals) — Finalmente Moustakas jogou como o terceira base destruidor de beisebolas que tanto se esperava dele. Um jogador capaz de rebater para muita força e também chegar em base, ainda tem 29 anos e deve conseguir um dos maiores contratos da offseason.

Moustakas foi o recordista dos Royals em home runs neste ano (AP)

2 – Todd Frazier (Yankees) — Seis temporadas seguidas com WAR acima de 2.0, Frazier é um jogador bem sólido na terceira base que casa muito bem força no bastão e boa defesa. É um jogador que já passou do auge, mas Frazier ainda consegue ser bem útil e deve conseguir um sólido contrato de no mínimo duas temporadas nessa offaseason.

3 – Eduardo Nuñez (Red Sox) — Muita velocidade, versatilidade e capaz de colocar a bola em jogo. Nuñez é um jogador que depende do físico para ser efetivo, e ele já está com 30 anos. De qualquer maneira, tem bola para ser titular em muitos times da MLB, seja na terceira base ou na segunda. Um jogador que deve conseguir boa grana.

4 – Yunel Escobar (Angels) — Com ótima capacidade de colocar a bola em jogo, Escobar é um jogador sólido e útil por mais algum tempo nas Majors. A idade é um fator aos 35 anos, mas ele tem um estilo de jogo que pode ser resistente ao tempo. No entanto, não deve conseguir contrato maior do que um ano.

5 – Trevor Plouffe (Rays) — Plouffe já foi um terceira base bem sólido nos tempos de Twins. Agora, com duas temporadas seguidas de WAR negativo, vai ser difícil achar algo além de contrato de ligas menores.

6 – Pablo Sandoval (Giants) — Nada além de contrato de ligas menores para Sandoval nessa offseason. Ele ainda recebe dos Red Sox, mas muito provável que comece a próxima temporada nas minors.

Panda ainda tem vida na MLB? (AP)

7 – Andres Blanco (Phillies) — Blanco já provou ser um jogador útil em outros tempos, mas aos 33 anos vai ser difícil encontrar relevância em outro lugar.

8 – Jae-Gyun Hwang (Giants) — Após uma temporada frustrante na MLB, Hwang, que já foi estrela no beisebol coreano, ainda tem muito tempo para provar valor na MLB. A situação contratual com os Giants ainda está indefinida, mas é provável que ele continue por lá.

PS: De acordo com o MLB.com, são apenas oito jogadores de terceira base disponíveis nessa free agency.

Catcher

1 – Jonathan Lucroy (Rockies) — Os Rockies precisam de um catcher para o futuro, e aos 31 anos Lucroy pode continuar sendo esse cara para o time. Ele já não está no nível MVP que conseguiu por um tempo com os Brewers, mas segue como um catcher acima da média e capaz de oferecer muita segurança atrás do home plate.

Lucroy deve continuar em Colorado (AP)

2 – Alex Avila (Cubs) — Avila já foi um jogador bem mais relevante na MLB, mas neste ano o catcher conseguiu dar a volta por cima com os Cubs. Com boa defesa e agora força no bastão, aos 30 anos Avila reviveu os bons tempos e deve assinar um contrato interessante nessa offseason.

3 – Wellington Castillo (Orioles) — A força no bastão chegou para Castillo, que acabou de declinar a opção de contrato com os Orioles. Com 20 home runs, aproveitamento no bastão decente e defesa sólida, ele é um catcher acima da média e que ainda está no auge. Deve conseguir um contrato de no mínimo duas temporadas.

4 – Chris Iannetta (Diamondbacks) — “Bom depois de velho”. Esse é o caso de Iannetta, que agora, aos 34 anos, teve a segunda melhor temporada da carreira. Um catcher ótimo defensivamente e capaz de mandar a bola para o outro lado do muro, Iannetta certamente tem mercado.

5 – Nick Hundley (Giants) — Catcher reserva nos últimos dois anos, Hundley vem fazendo bem a função de backup nos últimos tempos. E assim deve continuar para um jogador regular no home plate e com o bastão nas mãos. Assim como Rivera, há muito espaço para caras como Hundley.

6 – Rene Rivera (Cubs) — Um dos melhores catchers defensivos da MLB, jogadores como Rivera sempre têm espaço na MLB. Mesmo já veterano, 34, não deve ter dificuldades para assinar.

Rivera tem uma carreira sólida como defensor (Getty Images)

7 – AJ Ellis (Marlins) — Ex-catcher de Clayton Kershaw, Ellis nunca foi um jogador explosivo. Nesta temporada, como reserva dos Marlins, não conseguiu ser nada além da média. Ellis traz boa defesa, muita liderança e produtividade mediana no bastão. Deve ser reserva mais uma vez.

8 – Miguel Montero (Blue Jays) — Montero também tem 34 anos, mas vem em direção totalmente oposta em relação a Iannetta. Montero começou a carreira muito bem, mas vem decaindo nos últimos anos e neste ano chegou a ser dispensado dos Cubs por problemas disciplinares. Ainda tem mercado na MLB, mas com contrato de ligas menores.

9 – Ryan Hanigan (Rockies) — Mais um catcher defensivo e veterano, Hanigan entra na mesma categoria de Rivera, por exemplo, só que pior em questão de qualidade e idade (37 anos). Com alguma sorte, pode começar o próximo ano reserva em algum time da MLB.

10 – Geovany Soto (White Sox) — Um veterano que já foi melhor novato da Liga Nacional com os Cubs, Soto já não é mais relevante há algum tempo. Mas assim como Hanigan, se encaixa no estereótipo de líder defensivo pra ser reserva.

Outfielders

1 – JD Martinez (Diamondbacks) — Um dos melhores rebatedores da liga na última temporada, JD Martinez tornou-se um free agent muito disputado nesta offseason. Um jogador que deve conseguir grande contrato, independente do lugar que for ele será titular no campo externo. Com 45 home runs em 119 jogos, aos 30 anos Martinez parece estar no auge e isso deve continuar por algum tempo.

JD deve conseguir pelo menos quatro anos de contrato (USA Today)

2 – Lorenzo Cain (Royals) — Cain teve uma das melhores temporadas da carreira ao colocar os melhores números da vida profissional em OBP, jogos, walks e strikeouts. Aos 32 anos, parece ter chegado ao auge. A questão é que se trata de um jogador que precisa do físico para jogar, e a idade é um fator negativo para um possível contrato longo.

3 – Jay Bruce (Indians) — Pelo menos 25 home runs em sete das últimas oito temporadas. Sabemos o que esperar de Bruce todos os anos, e para as próximas temporadas não deve ser diferente. Apesar de ser um jogador que não tem outros ativos além da força, Bruce será um free agent disputado nesse mercado.

4 – Carlos Gonzalez (Rockies) — Quando está saudável e focado no beisebol, CarGo é um dos melhores rebatedores da liga. Três vezes All-Star, tem um currículo muito grande. No entanto, Gonzalez acabou de ter o que foi provavelmente o pior ano da carreira, ao postar wRC+ de apenas 87. Aos 32 anos, é provável que ele não consiga um contrato gigantesco.

5 – Carlos Gomez (Rangers) — Mais um que já jogou muita bola, Gomez chegou a disputar pelo prêmio de MVP quando estava no auge com os Brewers. Agora, veterano, teve uma temporada produtiva com os Rangers colocando a bola em jogo com frequência e batendo para força. Chega com valor no mercado, e ainda numa idade boa (31).

6 – Austin Jackson (Indians) — De repente, Jackson reviveu a carreira com a melhor produção ofensiva desde 2012. O veterano de 31 anos foi importantíssimo na sequência de vitórias dos Indians durante a temporada regular e jogou bem em outubro. Deve voltar para Cleveland.

Após muito tempo, Austin voltou a ser relevante (Getty Images)

7 – Melky Cabrera (Royals) — Cabrera, assim como Bautista, já passou do auge e vem tentando se reajustar a idade. Um jogador que tinha como característica rebater para muito contato e velocidade, as suas habilidades estão enfraquecendo com o tempo. Nas últimas três temporadas, apenas a de 2016 foi produtiva. Não deve assinar por muita grana.

8 – Jon Jay (Cubs) — Um jogador versátil no campo externo que vai te dar muitas rebatidas e boa defesa, Jay é o estereótipo perfeito do outfielder que clássico de pouca força e muito contato. Já veterano, 32, e dependendo muito da velocidade para ser efetivo, Jay deve conseguir o último bom contrato da carreira.

9 – Jarrod Dyson (Mariners) — Dyson sempre dependeu do físico para jogar. Agora, aos 33 anos, ele continua sendo efetivo com muita velocidade e inteligência no bastão. A idade é certamente um fator no próximo contrato e o futuro próximo gira em incertezas. No entanto, Dyson não vai ter dificuldades para encontrar um novo clube.

10 – Jose Bautista (Blue Jays) — Já muito veterano, é claro que os melhores dias de Bautista já estão no passado. Um jogador que já foi um dos mais produtivos da liga, parece que o futuro de Bautista é cada vez mais perto de ser rebatedor designado. Com aproveitamento no bastão baixíssimo e força desaparecendo, não vai conseguir um contrato maior do que de duas temporadas.

Arremessadores titulares

1 – Jake Arrieta (Cubs) — Mesmo não tendo jogado como em 2015, quando postou para ERA de 1.77 e venceu o Cy Young, Arrieta continua sendo um pitcher sólido. Porém, é importante ligar o sinal de alerta, a velocidade de todos os seus arremessos diminuiu em 2017, e isso acarretou em um aumento de home runs cedidos. 3.53 de ERA não é ruim, mas seus 4.16 de FIP preocupam. Mesmo assim, é o pitcher mais confiável dessa leva de free agents e aparece como boa oportunidade para times que querem fortalecer a rotação.

Arrieta já passou do auge, mas ainda tem muito valor (AP)

2 – Yu Darvish (Dodgers) — Mesmo tendo sido desastroso na World Series, Darvish continua sendo um ótimo pitcher. Seu k/9 em 2017 foi de altíssimos 10.08 e postou para um ERA ok de 3.83. Pode vir para fortalecer uma rotação, mas não espere, dele nem de ninguém nessa lista, que virá para assumir o posto de Ace.

3 – Lance Lynn (Cardinals) — Um touro no montinho, Lynn arremessa com a mesma mentalidade de jogadores como John Lackey e Roger Clemens. Após um Tommy John em 2016, não se intimidou e teve uma grande temporada neste ano. Vem para 2018 com moral e deve conseguir um grande contrato nessa offseason.

4 – Alex Cobb (Rays) — Cobb já foi dos melhores pitchers da MLB. Postou para uma grande temporada em 2014, mas se machucou e teve que realizar a cirurgia Tommy John. 2017 foi o ano de retorno e o destro teve um sólido ERA de 3.66. Sua taxa de bolas rasteiras forçadas continua alta, mas menos se em comparação com os bons tempos. Com uma baixa média de strikeouts por 9 entradas com 6.42 e um BABIP quase insustentável de .282, Cobb tende a regredir, mas ainda assim é um bom nome para completar rotações.

5 – C.C Sabathia (Yankees) — Apesar da idade avançada(37 anos), Sabathia aparece como um bom nome aqui. Não, ele não vai jogar como Cy Young nunca mais, mas vem de dois anos decentes com os Yankees onde forçou bolas rasteiras muito bem.

6 – Jhoulys Chacin (Padres) — Dentro do outfield gigantesco de San Diego, Chacin teve números de Cy Young com ERA de 1,79 em jogos realizados no Petco Park. Fora, foi um verdadeiro desastre com esse número se elevando para 6.53. Em casa, o ”Chacinator” forçou muito mais bolas voadoras, 36,5% contra 27,9% longe de seus domínios. Pode ser uma boa alternativa para times com ballparks favoráveis a pitchers.

Chacin dominou o PETCO como ninguém (AP)

7 – Andrew Cashner (Rangers) — 2017 foi um ano de ressurreição para Cashner, postando para um ERA de 3,40, foi um dos melhores no quesito dos Rangers. Porém, não se engane. Apenas 4.64 de K/9, um alto BB/9 de 3.46 e FIP de 4.61 e a velocidade de seus arremessos cada vez mais baixa, o destro não voltou aos bons tempos, mas ainda assim quem sabe possa melhorar alguma rotação em 2018.

8 – Jaime Garcia (Yankees) — O veterano serve apenas para no máximo, completar uma rotação. Já fez grandes temporadas em St.Louis, mas a idade chegou e Garcia vem de duas temporadas consecutivas com ERA maior que 4. Quem sabe, consiga ser um starter número 5 sólido.

9 – Jason Vargas (Royals) — Mais um nome que aparece apenas para, no máximo, completar uma rotação. Vargas vem de um ano ok com seus 4.16 de ERA e 6.71 strikeouts por entrada.

10 – Doug Fister (Red Sox) — Apesar do alto ERA de 4.88, Fister não foi de todo mal em 2017. FIP de 3.88 e um bom fim de temporada, quem sabe valha a aposta.

Relievers

1 – Wade Davis (Cubs) — Um dos melhores closers da MLB, Davis aparece como grande nome entre os relievers aqui. Sua combinação de cutter e knucklecurve continua afiada, e o destro postou para mais uma grande temporada. Única ressalva foram seus walks, 4.30 de BB/9 não chega a ser preocupante, mas chama a atenção.

Davis foi elite mais uma vez (AP)

2 – Pat Neshek (Rockies) — Um dos melhores relievers de toda a temporada com 1.59 de ERA, Neshek destroçou destros com sua slider monstruosa, apesar da mecânica exótica, ele aparece aqui como um verdadeiro elite saindo do bullpen.

3 – Brandon Morrow (Dodgers) — O bullpen dos Dodgers foi incrível durante a temporada, e Morrow uma das razões disso. Combinação de bola rápida, cutter e slider deram ao ex-starter uma temporada verdadeiramente elite. ERA de 2.06, 10.31 de K/9 e apenas 1.85 de BB/9. O destro chega como um dos melhores nomes nesta lista.

4 – Greg Holland (Rockies) — Ele não é mais aquele Holland destruidor do lendário bullpen dos Royals de 2014, mas ainda é um ótimo closer. Mesmo deixando a splitter um pouco de lado e usando mais a slider, terminou 2017 com um sólido ERA de 3.61 e 10.99 de strikeouts por nove entradas. Um ótimo ano de retorno para o destro que havia se afastado devido a cirurgia Tommy John.

Holland ressurgiu após a Tommy John (USA Today)

5 – Mike Minor (Royals) — Mais uma das várias surpresas no bullpen na temporada, Minor ressurgiu no beisebol jogando muito bem em Kansas City, e o principal motivo disso foi a evolução de sua slider, da qual o destro passou a arremessar 35,6% das vezes em comparação com 14,6% em 2016.

6 – Anthony Swarzak (Twins) — Outro pitcher que fez uma temporada surpreendente, Swarzak teve 50.9% de seus arremessos sendo sliders, um dos melhores arremessos do beisebol, que colocou o destro como um elite reliever em 2017.

7 – Matt Albers (Nationals) — O sinkerballer postou para um 2017 sólido após um 2016 horrendo, com seu arsenal de bola rápida, sinker e slider, terminou o ano com um ótimo ERA de 1.62, um dos melhores da MLB, e deve ganhar um belo contrato nessa free agent.

8 – Yusmeiro Petit (Angels) — Desacreditado no começo do ano, Petit foi uma das principais armas saindo do bullpen dos Angels. Com uma ótima changeup, o ex-starter postou para 2.76 de ERA e deve ganhar um bom contrato nessa offseason.

9 – Juan Nicasio (Cardinals) — Arremessando 71,9 de bolas rápidas, Nicasio apresentou um ótimo comando de seus arremessos, e com isso, foi um dos melhores relievers da MLB. 2.61 de ERA para o destro, que deve ganhar um ótimo contrato nessa offseason.

10 – Brian Duensing (Cubs) — Outro reliever que ressurgiu para o beisebol em 2017, o ex-starter fez um ótimo ano aparecendo como setup dos Cubs, e aparece como um dos melhores nomes de bullpen nesta lista.

 

About The Author

Editor-chefe da Casa do Beisebol, entre 2015-2017 ocupei a mesma função no Segunda Base, além de ter trabalhado como administrador e fundador do Spinball Net entre 2011 a 2016. Ainda com passagem pelo ExtraTime. Respiro beisebol 24 horas por dia, também sou tipster e apostador profissional no Quero Apostar.

Related Posts