A Inglaterra está longe de ser um lugar popular para o beisebol. Há muitos esportes que estão à frente da beisebola para os britânicos. Mas Elton John está longe de ser um inglês comum. Ele já viajou dezenas para realizar shows em uma carreira de sucesso que ultrapassa os 40 anos. O que poucos sabem, no entanto, é que John é um fã assíduo de beisebol.

“Sou um inglês fascinado pela habilidade e beleza do jogo”, disse uma vez John no seu próprio site oficial. A conexão com o beisebol não é qualquer. Quando John comprou uma casa em Atlanta, em 1991, ele viu de perto a grande geração do Atlanta Braves durante a década de 1990 e isso deixou o inglês maravilhado com o esporte.

Mas a ligação de John com o beisebol começou bem antes do período em Atlanta. Em 1975, quando estava iniciando a carreira, ele fez um par de shows históricos no estádio do Los Angeles Dodgers. Naquela ocasião, mais de 100 mil pessoas foram ao estádio para assistir o show do cantor britânico.

Elton John com o bastão em cima do piano no Dodger Stadium, em 1975 (MLB.com)

John é tão fanático com o jogo que a sua ligação com o beisebol criou ídolos para o cantor. Um deles é Chipper Jones, e quando o lendário terceira base dos Braves se aposentou (2012), John fez uma carta de agradecimento aberta para Jones:

Chipper Jones,

(O beisebol) Não vai ser mais o mesmo. Os Braves sem Chipper é como Lennon sem McCartney, Rogers sem Hammerstein. Por muito tempo os Braves, para mim, era sobre Bobby Cox e Chipper, Maddux, Smoltz e Glavine. Agora meu herói final está se despedindo. Indo para o Hall da Fama, aonde ele pertence com todos os méritos. Outros heróis irão vestir esse uniforme. Chipper, para mim, simbolizou o espírito do time. Para começar seu nome — Chipper Jones — ele poderia ser uma estrela de rock, uma estrela de cinema ou um grande político. Mas ele jogou beisebol, e ele deu para mim e para outros milhões lances de grandeza e por isso eu me sinto abençoado. Os Braves viraram uma grande parte da minha vida quando eu comprei uma casa em Atlanta, em 1991. Eu sou um inglês fascinado pela habildade e beleza do jogo.

John provou todo seu QI de beisebol quando se encontrou com o time do Minnesota Twins após um show na Flórida, no ano passado. Trevor Plouffe, então jogador dos Twins, ficou surpreendido com a memória do cantor sobre os jogadores dos Braves. “Ele estava lembrando de jogadores como Mike Lemke. Pensei que ele fosse lembrar apenas dos jogadores principais daquela época, mas lembrou de muitos atletas que não eram tão conhecidos”, disse Plouffe.

O cantor não é só fã dos Braves, mas sim da Liga Nacional como um tudo. “Não gosto do rebatedor designado, tira um pouco da beleza do jogo”, disse uma vez. “Eu assisto beisebol sempre que estou na estrada, seja os Braves ou outro time. Pra mim, é um momento de relaxar e, como críquete, uma das coisas mais poéticas que você pode fazer é assistir um jogo de beisebol”.

John no Dodger Stadium, em 1975 (MLB.com)

Além de John ser um inglês que gosta de beisebol, a sua ligação com os esportes está longe de ser esporádica. Ele já foi dono do Watford, time de futebol da Inglaterra, e é um fã de tênis confesso.

John gosta tanto de beisebol que já levou muitos famosos ao jogo dos Braves, e sempre que pode comparece ao ballpark. Curiosidades dos esportes que não teria como adivinhar.



Comentários? Feedback? Siga-nos no twitter em @casadobeisebol e curta-nos no Facebook.

About The Author

Editor-chefe da Casa do Beisebol, entre 2015-2017 ocupei a mesma função no Segunda Base, além de ter trabalhado como administrador e fundador do Spinball Net entre 2011 a 2016. Ainda com passagem pelo ExtraTime. Respiro beisebol 24 horas por dia, também sou tipster e apostador profissional no Quero Apostar.

Related Posts