Nesta quinta (13), o Chicago Cubs anunciou a chegada do arremessador José Quintana, vindo do Chicago White Sox. A negociação, que foi a primeira entre os dois clubes em 11 anos, aconteceu em troca de quatro prospectos (Eloy Jimenez, Dylan Cease, Matt Rose e Bryant Flete) que os atuais campeões enviaram ao time preto e branco.

A negociação tem um sentido claro: os Cubs precisam de reforços. Após uma primeira metade de temporada desapontante, os campeões seguem em segundo numa divisão fraca com a campanha negativa de 43 vitórias e 45 derrotas. Mais do que isso, a equipe não vem jogando um bom beisebol e a realidade poderia ser bem pior se eles tivessem em qualquer outra divisão da MLB.

A rotação tem sido o principal ponto fraco dos Cubs, e isso não é nenhuma novidade. Antes mesmo da temporada começar, apontei sobre os problemas do quinteto titular da equipe. Arremessadores veteranos, campanhas fora da curva em 2016 e falta de alternativas nas ligas menores pintavam o tom de uma rotação falha.

O ERA da rotação é de 4,66 (19°) nesta temporada, abaixo de times como Oakland Athletics e Los Angeles Angels. O pior, no entanto, é que tudo indica que não se trata de uma primeira metade fora da curva. Os abridores estão jogando mal, como Jake Arrieta, Kyle Hendricks e John Lackey, e não há muitas indicativas de melhoras para o resto do ano.

De fato, os Cubs precisavam e ainda precisam de ajuda no quinteto. Até mesmo Eddie Butler, um arremessador encostado e sem valor na MLB, tem recebido a bola como abridor. Só que a chegada de Quintana não é o que vai resolver a questão na rotação.

Por mais que o colombiano seja um jogador de qualidade e tenha um contrato muito favorável (controle da equipe até 2020 e ainda 28 anos), ele vem de uma temporada de muitos altos e baixos e os Cubs precisam de resolver o agora antes de pensar no futuro.

Após um começo de temporada horrível, Quintana tem, neste ano, ERA de 4,49 — isso mesmo após a melhora nos últimos cinco jogos, período que compilou ERA de 2,70. Claro que um arremessador não pode ser julgado por apenas um semestre de trabalho, e Quintana foi muito bem nos anos anteriores. Mas com toda essa inconsistência, os Cubs precisavam de um arremessador mais seguro para ajudar a colocar o time de volta aos eixos.

Para o futuro, é uma boa negociação para uma rotação que provavelmente terá as saídas de Arrieta e Lackey no fim desta temporada (e tem um Lester envelhecido em declínio). Mas os Cubs ainda precisam de mais um bom arremessador para a rotação titular, e com a saída de dois bons prospectos em Jimenez e Cease, vai ser complicado persuadir outras equipes a negociar os abridores.

Jimenez está classificado como 8° melhor prospecto da MLB.com (Getty Images)

No lado dos White Sox, é uma negociação muito boa com prospectos para o futuro e que carregam ainda mais uma categoria de base que fica cada vez mais forte — principalmente quanto a Jimenez, que é um dos melhores prospectos da liga.

No balanço geral, mesmo com as pretensões atuais dos Cubs e a urgência do time em pensar no agora, acredito que os Meias Brancas são os verdadeiros ganhadores dessa troca — e no futuro tem tudo para isso se confirmar ainda mais.


Comentários? Feedback? Siga-nos no twitter em @casadobeisebol e curta-nos no Facebook.