O torneio de beisebol universitário estadunidense é um dos maiores do mundo, tanto em número de times, quanto em número de jogos. Além de um grande torneio, o esporte universitário é o principal celeiro de atletas para ligas profissionais.

Principal fonte de atletas para o Draft da MLB, o beisebol universitário difere um pouco do futebol americano e do basquete no sentido da formação de atletas, pois nesses esportes, normalmente, o atleta vai diretamente para o time que o draftou — já no beisebol profissional o caminho é longo nas ligas menores.

Passado gigantesco

Os primeiros registros de jogos entre universidades são datados do fim da década de 1850. Mas o primeiro torneio oficial registrado é do ano de 1947, vencido pela Universidade da Califórnia, os Golden Bears.

Veja também: CONHEÇA OS MELHORES PROSPECTOS DO UNIVERSITÁRIO PARA O DRAFT 2017

Criada em 1906, a NCAA (National Collegiate Athletic Association) é a principal organizadora do torneio de beisebol, além de organizar torneios de outros mais de 20 esportes. Os torneios são divididos em três divisões (DI, DII e DIII), sendo a DI e DII as divisões de universidades que dão bolsas.

As três divisões do torneio de beisebol reúnem cerca 960 times universitários. A divisão principal (DI), criada em 1947, é composta por 299 universidades divididas em 31 conferências diferentes. A Divisão II (1968) e a Divisão III (1976), reúnem as universidades onde o programa esportivo é considerado mais fraco.

TD Ameritrade Park – Omaha, palco do College World Series, as finais do torneio, desde 2011 (Foto NCAA)

O Torneio

Na primeira etapa da temporada, os times fazem a maioria dos jogos dentro de sua conferência. O número de jogos é variável conforme a quantidade de times na conferência, variando de sete até 14, mas nenhum dos times faz menos de 50 jogos, num período que vai do início de fevereiro até o fim de maio.

Assim como em todos os outros esportes universitários, existe um comitê para elaborar um ranking com as melhores universidades. No beisebol, o ranking é formado por 25 times, levando-se em conta a campanha, mas principalmente o nível dos adversários conforme a qualidade da conferência que os times pertencem. As mais fortes e vitoriosas são a PAC-12 (17 títulos) e a SEC (10 títulos).

Veja também: 102 MILHAS, 17 ANOS E UMA MISTURA DE SYNDERGAARD COM A-ROD. ESSE É O NOVO MITO DO BEISEBOL

A pós-temporada, que começa no início de junho, conta com 64 times, sendo 31 os campeões de cada conferência. Os outros 33 times serão escolhidos pelo comitê, seguindo os critérios de ranqueamento.

A primeira etapa da pós-temporada é chamada de Regionais e os times serão divididos em 16 grupos com quatro times cada. Apenas o “campeão” passa para a próxima etapa. Os classificados das Regionais passam para as Super Regionais, chaveados em oito confrontos diretos em melhor de três jogos.

Os oitos vencedores dos confrontos diretos vão para o College World Series (CWS), disputado da segunda metade para o fim do mês de junho, no TD Ameritrade Park em Omaha. Divididos em dois grupos com quatro times, o sistema é o mesmo das Regionais. Os dois “campeões” disputam a final do CWS em melhor de três jogos.

Coastal Carolina University – Chanticleers, atual campeão da CWS (Foto NCAA)

Em mais de 60 anos em disputa, o torneio da NCAA tem como seu maior vencedor a USC (University of Southern California). Os Trojans, como são conhecidos, já venceram o CWS 12 vezes, sendo o último título em 2011.

Na sequência dos maiores vencedores, mas bem distantes da USC, vem as Universidades do Texas, os Longhorns, e LSU (Louisiana State), os Tigers, com seis títulos cada.


Comentários? Feedback? Siga-nos no twitter em @casadobeisebol e curta-nos no Facebook.