A cultura beisebolística nas telas é enorme. Seja em filmes ou documentários, quantas vezes você não viu alguém citar algo relacionado ao New York Yankees, por exemplo? Para os americanos, a conexão entre beisebol e cultura é algo muito natural. Em um século de produções cinematográficas, o cinema norte-americano já fez várias obras de arte com esse esporte que amamos. E, finalmente, separamos uma lista imperdível.

Pegue uma xícara café e abra um bloco de anotas para marcar vários filmes/documentários na sua agenda.

Filmes

“42” (2013)

A história do lendário Jackie Robinson. “42” é muito mais do que um filme de beisebol. Além de mostrar a trajetória desse icônico jogador do Los Angeles Dodgers, também é um longa que mostra muito bem como era a cultura segregada dos Estados Unidos na década de 1940. Para um fã de beisebol ou para quem quer conhecer mais sobre a história dos EUA e desse esporte, esse filme é simplesmente imperdível.

“Uma equipe muito especial (A League Of Their Own)” (1992)

Durante a Segunda Guerra Mundial, muitos jogadores da MLB tiveram que servir os Estados Unidos, e isso deixou uma lacuna muito grande no passatempo dos americanos. A liga ficou mais fraca, muitos perderam o interesse e as mulheres tentaram preencher esse vazio que se formou. Enquanto estrelas como Joe DiMaggio e Ted Williams estavam fora, elas pegaram a máscara e o bastão e formaram uma liga profissional. É disso que esse filme mostra, com Tom Hanks e Madonna como protagonistas.

“Fora da jogada (Eight Men Out)” (1988)

Em 1919, o Chicago White Sox perdeu a World Series de propósito para o Cincinnati Reds no que foi um dos maiores escândalos da história do esporte. O filme conta todos os bastidores por trás daquele episódio. Mostra, com detalhes, como os jogadores odiavam o dono da equipe, e como alguns jogadores foram contra o movimento de perder a World Series. Em um longa muito bem dirigido, é um filme que vale muito a pena assistir.

“O homem que mudou o jogo (Moneyball)” (2011)

Provavelmente é o filme mais popular da história recente do beisebol. Nesta obra prima, Brad Pitt interpreta Billy Beane, gerente geral do Oakland Athletics. O filme conta, com muitos detalhes, como o diretor achou uma forma de revolucionar o esporte com uma mente brilhante. Moneyball é simplesmente obrigatório.

“Campo dos sonhos (Field Of Dreams)” (1989)

“Se você construir, eles virão”. Um dos filmes mais clássicos da história do cinema, nele, um agricultor chamado Ray constrói um campo de beisebol em um milharal no estado de Iowa. No processo, ninguém acredita em Ray. Um campo no meio do nada, para quem jogar? Só que, no filme, o Chicago White Sox de 1919 (liderados por Shoeless Joe Jackson) aparece na fazenda e, com jogadores lendários, atuam no campo concretizar o sonho de Ray. Fantasia e história do beisebol em um longa de 1h47.

“Sorte no amor (Bull Durham)” (1988)

Um clássico do cinema beisebolístico protagonizados por Kevin Costner e Susan Sarandon, é um filme mais puxado para o romance que tem o beisebol como pano de fundo. Na história, Crash Davis (Costner) é um catcher veterano de ligas menores que serve de mentor para o mentor Ebby Nuke. Nessa parceria, Annie (Sarandon) tem um romance com Nuke, só que ela começa a se sentir traída por Davis. Nesse triângulo, uma história com muito beisebol se desenrola.

“Curvas da vida (Troubles With The Curve)” (2012)

Clint Eastwood em um filme de beisebol é algo imperdível. O lendário ator interpreta um veterano olheiro do Atlanta Braves, que começa a ter problemas com visão e isso o atrapalha na identificação de novos talentos. No entanto, com muita experiência, ele consegue se sobressair apenas usando a audição para ajudar a encontrar jovens talentos. Na trama, a filha, advogada, se junta a ele em uma viagem para assinar com prospectos.

“Ânsia de viver (The Babe)” (1992)

Não chega a ser uma biografia de Babe Ruth, mas esse filme retrata em partes como foi a trajetória do maior jogador de todos os tempos. John Goodman interpreta o lendário rebatedor. No filme, acontecimentos importantes, como a infância de Babe, o momento em que se transfere para o New York Yankees e o fim da carreira são fielmente retratados.

“Ídolo, amante e herói (The Proud of the Yankees)” (1942)

É um dos filmes mais emocionantes da história, não só sobre beisebol. A biografia de Lou Gehrig nos cinemas foi lançada um ano após a morte do lendário jogador dos Yankees. O filme é muito bem feito, com uma fotografia espetacular e um roteiro bem escrito. Várias estrelas da época participaram das gravações, inclusive Babe Ruth. Para conhecer mais sobre o esporte e se emocionar com a história de uma lenda.

Cobb” (1994)

Um dos maiores jogadores de todos os tempos, Ty Cobb também foi uma das personalidades mais polêmicas da história cultural dos Estados Unidos. A lenda do Detroit Tigers era racista, de humor ruim e teve um fim de vida triste quando se afastou de todo mundo em uma casa isolada. Nesse filme, Cobb é interpretado por Tommy Lee Jones. Perto de morrer, Al Stump é autorizado a fazer uma autobiografia de Cobb. O escritor passa a viver perto do ex-jogador, e juntos vivem histórias de caos.

“Garra de campeões (Major League)” (1989)

Esse filme tem uma versão ficcional do Cleveland Indians. Rachel Phelps (Margaret Whitton) herda o time do marido falecido, e tem uma oferta lucrativa para mudar o time para Miami. Para isso, os Indians precisam chegar ao fundo do poço em popularidade e audiência. Obcecada para isso, Phelps coloca um time de novatos sem experiência e um monte de veteranos em fim de carreira para afundar os Indians. Só que o plano de Phelps não funciona, e o time que foi feito para perder começa a vencer. Com Charlie Sheen como um dos protagonistas, é um filme imperdível.

“Os anjos entram em campo (Angels In The Outfield)” (1994)

Mais um filme licenciado com a história de um time real, o Anaheim Angels é protagonizado nesse longa. Na história, Roger é um torcedor fanático do Anaheim Angels, mas o time é um dos piores da liga. No entanto, ele começa a rezar e a pedir para os céus que o time melhore. Um anjo atende as preces de Roger, e passa a ajudar os Angels guiando o time a grandes vitórias.

Documentários

Baseball” (1994)

Para mim, é o mais imperdível de toda essa lista. “Baseball” é uma série de documentários dirigido pelo lendário Ken Burns. Nele, o documentário é dividido em dez entradas. Cada episódio representa uma fase da história desse esporte nos Estados Unidos. Do surgimento até o atual milênio, é uma verdadeira enciclopédia do beisebol em cerca de 18 horas. Simplesmente espetacular, uma verdadeira obra.

No YouTube é possível assistir alguns (em inglês). Abaixo, a primeira entrada.

The Battered Bastards of Baseball” (2014)

A história espetacular do Portland Mavericks, um time independente em uma região que não era muito apta ao beisebol. Com estrelas e jogadores muito carismáticos, os Mavericks conseguiram grandes feitos e entraram para a cultura dos esportes americanos em uma história singular. Esse documentário está disponível no netflix.

Knucleball” (2012)

O arremesso mais misterioso e icônico de um jogo de beisebol. “Knuckleball” é um documentário que analisa a vida desse lançamento. Os percursores, os grandes jogadores que aperfeiçoaram esse arremesso e como se tornou uma arma para jogadores desprezados e sem muito espaço na MLB.

Jordan Rides The Bus” (2010)

Quando o maior jogador de basquete de todos os tempos se aventura no beisebol, todos os holofotes se viraram para um time sem expressão de ligas menores do Chicago White Sox. A trajetória de Michael Jordan no beisebol é contada com muitos detalhes que enriquecem essa obra. Na Double-A, esse documentário recorda uma das histórias mais inacreditáveis da década de 1990.

Four Days In October” (2010)

Quem imaginava que o Boston Red Sox viraria a final da Liga Americana de 2004 após estar perdendo a série por 3 a 0? “Four days in october” conta precisamente como foi o drama vivido pelos torcedores dos Red Sox naquela série diante do New York Yankees. Além de ser um excelente documentário sobre aqueles jogos, também conta a história do time e Boston e o que aquela virada significou para eles.

Abaixo, o documentário na íntegra.

No No: A Dockumentary” (2014)

Conseguir um no-hitter já é um feito espetacular, agora, imagina lançar um sob efeito de LSD? Foi o que o lendário arremessador Dock Ellis conseguiu, em 1970. O documentário conta toda história por trás do jogo, e com entrevistas sensacionais com Ellis.

Está disponível no Netflix.

Fastball” (2015)

O arremesso mais potente e tradicional do beisebol. Esse documentário mostra a ciência da bola rápida, quais foram os primeiros jogadores a se destacar com esse arremesso e as maiores velocidades já registradas até hoje. É uma parte muito importante da história do beisebol contada através desse documentário. Está disponível no Netflix.

“Jogador de beisebol (Ballplayer)” (2012)

O beisebol é uma religião na República Dominicana, de longe o esporte mais popular do pais. Nesse documentário, mostra como o sonho de todo garoto é se tornar um jogador profissional e representar a sua nação na MLB. A cultura latina dentro do beisebol é muitíssimo bem retratada.